en

Group Info

Portugal desperdiça potencial turístico do nudismo

O mercado naturista vale milhões mas o potencial turístico está a ser desperdiçado devido à falta de oferta de alojamentos e outras infra-estruturas, disse à Lusa o presidente da Federação Portuguesa de Naturismo (FPN).«Muitos dos potenciais turistas acabam por ficar por Espanha, onde a legislação permite praticar nudismo em qualquer praia e existem boas condições para os naturistas. Os centros naturistas e os hotéis estão sempre lotados», sublinhou Rui Martins.

Mas em Portugal, este mercado é incipiente e explorado quase exclusivamente por cidadãos estrangeiros.

A FPN contabiliza, na sua página na Internet, dois turismos rurais e três parques de campismo (um deles parcial) direccionados para este tipo de clientes.

«Faltam infra-estruturas para o turismo. Os estrangeiros procuram locais de férias naturistas e o que existe em Portugal é muito incipiente», adiantou o mesmo responsável, assinalando que se trata de um mercado em que vale a pena investir.

Proprietário de um turismo rural vocacionado para naturistas, na zona de Silves, o britânico Bruce Allen, de 56 anos, confirma que há falta de locais específicos para os praticantes deste estilo de vida.

«Quanto mais lugares houver, mais pessoas aderem. Os naturistas gostam de ter escolhas, faz falta um hotel de maiores dimensões. Podia haver muito mais coisas, porque precisamos de mais turistas».

A Quinta da Vista acolhe sobretudo casais naturistas, normalmente com mais de 40 anos e quase todos estrangeiros, com predominância de ingleses e alemães.

Bruce gostava de receber mais portugueses, mas considera que os estrangeiros tendem a planificar as férias com mais antecedência, deixando poucas oportunidades aos cidadãos nacionais que preferem fazer reservas em cima da hora.

Por outro lado, «muitos portugueses não precisam deste tipo de acomodação. Ficam em casa de familiares ou amigos no Algarve e frequentam as praias naturistas da zona».

No perímetro da quinta e nos arredores, andar nu é normal e Bruce assegura que «nunca houve qualquer problema. Pode-se andar a vontade no campo ou na piscina».

Jikke Wilschut, uma holandesa de 62 anos que criou com o marido, Siets Bijker, o primeiro parque de campismo naturista em Portugal também lamenta a escassez de oferta. «Falta parques de campismo e hotéis», considerou.

O camping Quinta das Oliveiras, que abriu em 2002, é procurado sobretudo por holandeses, embora apareçam também alguns portugueses.

Situado num espaço rural junto à pequena aldeia de Andorinha (Oliveira do Hospital), Jikke reconhece que os primeiros contactos com a comunidade local foram difíceis porque «não entendiam o que era o naturismo», apesar da abordagem pedagógica dos holandeses.

«Mas melhorou muito», acrescentou a proprietária do parque de campismo.

Experiência bem diferente teve Laura Vasselli, uma italiana nascida na Holanda e que abriu há três anos, com o marido Jeff de Groot, o monte naturista Barão, em Santiago do Cacém.

«Fomos muito bem recebidos. As pessoas são abertas e curiosas e os vizinhos são muito simpáticos. A câmara de Santiago do Cacém também nos recebeu muito bem», contou à Lusa esta adepta do naturismo.

No Inverno, o casal recebe maioritariamente visitantes do Norte da Europa, sobretudo reformados «com tempo livre e que querem fugir do clima frio», mas quando chega ao Verão os portugueses ocupam normalmente metade do alojamento disponível.

Laura também defende que quanto maior for a oferta, maior será o número de turistas: «Os estrangeiros que vêm para Portugal também gostam de passear e ver outros sítios, mas não têm grande escolha. Muitos optam por ficar em sítios para 'têxteis' (pessoas que não praticam nudismo)», comentou.

As oportunidades de negócio não se esgotam nos alojamentos, já que as opções para quem prefere fazer desporto sem roupa também são muito limitadas.

Existem apenas dois espaços que cedem o espaço a naturistas em determinados horários: a piscina municipal da Penha de França, em Lisboa, e o ginásio Image Fitness, em Setúbal.

Em ambos os casos, as actividades são inteiramente geridas pela Federação Portuguesa de Naturismo.

Share:
  • Created: Dec 6 '16
  • Admin: Admin

Users

Newsfeed